ABAFIA lança nota de repúdio à transferência da Alfândega situada no Porto do Rio de Janeiro

A Associação Brasileira de Auditores Fiscais Aduaneiros, a ABAFIA, fundada em 1922, ou seja, há quase 100 anos, repudia a tentativa de deslocamento da sede da Alfândega situada no Porto da cidade do Rio de Janeiro para um imóvel na Rua Primeiro de Março, no centro. A decisão da mudança, não divulgada oficialmente, é da Receita Federal. Apesar de privada, tal deliberação tem sido confirmada pelos trabalhos realizados no local destinado a se tornar a nova sede.

O apoio solicitado pela ABAFIA estende-se a toda sociedade interessada em defender não só a própria população brasileira, mas também a economia e o meio ambiente, estendendo os dos demais países, esses beneficiados pelo combate à exportação de drogas.

Sobre os empenhos da ABAFIA, a entidade conta com três instâncias: Assembleia Geral, Conselho Fiscal e uma Diretoria composta por sete diretores, tendo como presidente Regina de Fátima da Silva Caldeira Hardman.

A nota de repúdio aponta ainda a importância da Alfândega pela sua relevância histórica e cultural, entidade que precede em séculos a própria Receita Federal, e que tem o objetivo claro de proteger as fronteiras do Brasil contra as atividades prejudiciais ao povo, como o trânsito de drogas estupefacientes, a demora dos despachos, o que facilitaria o contrabando e descaminhos. Não só o prédio em si, mas todo o movimento de mais de um século é parte da história e patrimônio cultural do nosso país. O valor biográfico da Alfândega não pode se perder em meio a uma decisão regada a um açodamento que tende a resultar em prejuízos para a nação.

Leia mais  Inclusão social: o que esperar para 2019?