“Gestão por Valores”, muito além de um lindo quadro na parede!

 “Patrícia trabalhava numa empresa de tecnologia. Todos os dias de manhã, ao bater o cartão de ponto ela se deparava com um lindo quadro onde está escrito, junto com uma linda missão e visão da empresa a seguinte frase: “Nossos Valores: Integridade, Respeito, Colaboração e Inovação”.

Nos primeiros dias na empresa, Patrícia ficou encantada e muito motivada, afinal quem não gosta de viver esses quatro lindos valores não é mesmo? Mas esse encanto aumentou ainda mais quando ela passou 3 dias em integração. Lá o RH falou o quanto era importante aquelas 4 palavrinhas e que todos ali praticavam esses valores.

Os dias se passaram e Patrícia começou a ficar um pouco confusa. Todos os dias, ao chegar na sua mesa, ela era recebida pelo chefe Paulo, que nem “bom dia” dava, mas que logo cedo gritava com ela e pedia que escondesse alguns dados para prejudicar o chefe do setor vizinho….

Todo aquele encanto inicial da Patrícia se foi, claro, juntamente com a motivação. Ao bater o ponto um dia antes de pedir demissão, ela pensou: “Pra que será que serve esse lindo quadro?”

Brincadeiras à parte, essa é uma história real, infelizmente. Mas por que algumas empresas ainda usam aquele famoso “quadro de valores” apenas para decorar as paredes do escritório?

Gestão por valores é uma nova tendência da gestão corporativa. É modelo alternativo a tradicional e tão conhecida “gestão por controle”. É muito eficaz, porém nada tem a ver com a experiência da Patrícia.

Vai muito além de decorar as paredes do escritório e da fábrica. É uma declaração, um compromisso, uma forma de gerenciar e liderar que tem a confiança como o seu maior motor e pilar de sustentação. Se utilizado com estratégia é um modelo capaz de instigar maiores níveis de engajamento e de protagonismo.

Ao aderir a esse modelo, os valores deixam de ser apenas palavras no crachá e cartazes na parede e passam a ser ferramentas de gestão estratégica, conectadas ao negócio.

Uma empresa que efetivamente gerencia através dos seus valores, consegue transformá-los em bússolas que passam a guiar todas tomadas de decisões e a orientar a forma da empresa se relacionar com os seus clientes, colaboradores, fornecedores, comunidade, meio ambiente e todos os seus públicos de interesse.

São vários elementos que compõem uma gestão baseada em valores e para se chegar nessa geração de confiança existem algumas etapas a serem estruturadas e colocadas em ação. Há um caminho a ser percorrido e muitas vezes mudanças e rupturas são necessárias, principalmente na forma de se fazer gestão de pessoas.

Hoje, escolhemos compartilhar com vocês, líderes de empresas e empreendedores, 4 passos que podem te ajudar a conhecer melhor esse modelo, refletir sobre os impactos e ganhos e dar os primeiros passos para implementar esse novo modelo de gestão:

Leia mais  Você também pode brilhar”: Linha Sidney Oliveira lança ‘Grow Hair By Clara Brasi

1. Definição dos valores organizacionais: quais valores irão nortear as nossas decisões de negócio e sustentar as nossas estratégias atuais e futuras?

2. Tradução dos valores em comportamentos observáveis: descrição do que cada valor significa na prática. Para cada valor, quais comportamentos são permitidos e quais não são? Essa será a base para a empresa conseguir avaliar e gerenciar por valores. É preciso criar uma cultura de feedback que fortaleça e sustente os novos comportamentos desejados.

3. Criação dos processos de avaliação de performance conectando desempenho, potencial e valores: estrategicamente a empresa precisa começar a avaliar e tomar decisões de sucessão, promoção e demissão com base na evidência da prática dos valores na empresa.

4. Disseminação contínua dos valores: realização de workshops internos, envolvendo todos os colaboradores com objetivo de ouvir, sensibilizar e engajar.

Uma cultura de confiança é consequência das pessoas sentirem que existe segurança psicológica e coerência entre o que é falado, escrito e feito, portanto ao implementar um modelo de gestão baseado em valores é fundamental que os líderes sejam preparados e treinados para liderar por valores.

O modelo requer uma constante autoavaliação das atitudes à luz dos valores, como por exemplo: “Se eu agir dessa forma com o meu colaborador eu estou vivendo qual valor da empresa?” ou “Se eu responder dessa forma para o meu cliente, qual valor eu estou ameaçando?” Esses tipos de reflexões passam a ser exercícios diários dentro da empresa.

Os comportamentos que reforçam os valores precisam ser valorizados e recompensados. Por outro lado, as tomadas de decisões que ferem os valores corporativos também precisam ter um plano de consequências. É assim que se começa esse processo de mudança cultural, reforçando e corrigindo comportamentos.

Por isso é tão importante que os valores corporativos façam parte de todas as políticas e práticas de gestão de pessoas – desde o recrutamento e seleção, avaliação de desempenho, desenvolvimento, plano de sucessão, gestão de carreiras até o processo de demissão.

Os valores que estão na parede da sua empresa são percebidos em cada um desses processos? Se a resposta for sim, parabéns, vocês estão no caminho certo, estão disseminando a gestão por valores.

Agora se a resposta for não, cuidado, momento de parar, pensar e descobrir quais são os valores essenciais para o seu negócio, ou seja, aqueles que vocês não podem abrir mão.  Aí sim, após essa clareza, fará mais sentido seguir esses 4 passos e embarcar nessa jornada de transformação de modelo de gestão, de cultura e principalmente de atitude!

Ellen Ravaglio é sócia fundadora da Vikaas Consultoria & Treinamento, é psicóloga, coach profissional especializada em neuroliderança e possui 25 anos de experiência em grandes empresas no desenvolvimento de líderes & times.

www.vikaas.com.br