Os desafios do e-commerce no mercado brasileiro por João Victor Navia

O Brasil é o 4º país do mundo em número de internautas e somos a 9ª economia do planeta, estes números são agradáveis ao mercado de e-commerce que cresce cada dia mais no país. Empresas que têm um negócio físico talvez tenha dúvidas sobre a necessidade de criar um e-commerce.

Dúvidas como conciliar o virtual e o físico, como melhorar a experiência do consumidor e, assim, potencializar as vendas em ambos os canais, são muito comuns. Mas além dessas dúvidas, ainda temos a logística, o processo de coleta da mercadoria até a entrega ao destinatário, considerando atrasos, avarias no produto, extravios…trazendo ao empresário incertezas em relação ao e-commerce.

Mas em um cenário que cada dia mais se torna competitivo, ter um e-commerce não é apenas uma opção e sim uma necessidade. A internet é a vitrine para seus produtos e isto apresenta vários desafios como agradar clientes exigentes, atender com agilidade e a eficiência que o online exige, lidar com comentários negativos, conquistar credibilidade, ficar bem ranqueado nos sites de busca ter um preço competitivo entre tantas opções, estar disponível nas mais diversas plataformas, estar preparado para a entrega e evitar o abandono do carrinho de compras.

Então preciso de um site e a partir daí começar a vender?

Não é tão simples assim, mas realmente ter um site é prerrogativa inicial. Agora, para começar a vender é outra história. Existe na internet diversas plataformas que vão desde a oferecer criação de uma loja virtual até integrar seu negócio a um marketplace. O marketplace é uma plataforma que conecta oferta e demanda de produtos ou serviços. Ou seja, ela reúne vendedores ou prestadores de serviço em um só ambiente online. Resumindo, um marketplace funciona como um shopping virtual.

Afinal devo ter meu e-commerce ou entrar em um marketpace?

Primeiro, você poder ter os dois, no caso do seu e-commerce que  aqui vai se vamos chamar de www.sualoja.com.br, vai receber visitantes, vai ter carrinho de compras vai ter vendas e a responsabilidade do processo de estoque, a logística corre toda por sua responsabilidade, não esquecendo de que você deverá estar atento a soluções como Google Analytics, que possibilita analisar a quantidade de acessos no seu site e por onde os consumidores mais navegam, Google Adwords, que permite que você coloque o seu site em um bom posicionamento no ranking do Google.

Leia mais  Mulheres em Flow Visita: a propaganda da sua empresa como uma reportagem

Diversas empresas de tecnologia podem desenvolver seu e-commerce, você pode entrar na internet e através de plataformas pré-concebidas você pode criar sua loja virtual com carrinho de compras, diversas formas de pagamento e tudo o mais. Parece simples, mas você estará entrando em um mar de monstros e grandes conglomerados.

O mais importante é consultar um especialista no caso de você querer ter seu próprio e-commerce, já que a plataforma de hospedagem e todo o processo administrativo passa a ser por sua conta. Enfim, esteja preparado pois esse trem está saindo da estação e você precisa embarcar.

E em 2022 os desafios serão ainda maiores. Imaginando um cenário pós pandemia onde a grande maioria das empresas precisou se reinventar e adaptar-se ao mercado, o e-commerce tornou-se parte integrada do negócio ou empresa. A competição será acirrada. Seu e-commerce precisara estar bem estruturado e alinhado a sua loja física se for o caso. Um pequeno erro em um prazo de entrega, um envio errado de pedido pode colocar toda a reputação da loja em risco e abrir espaço para a concorrência. A hora de reestruturar os negócios para o e-commerce é agora.

Não perca tempo!

Nome completo: João Victor Navia

Site: www.naviadigital.com.br

Formaçao: Formado em análise e desenvolvimento de sistemas e atuando a 10 anos com marketing digital com foco em e-commerce. Atendeu e-commercers que faturam mais de 1 milhão de reais por mês.