Dislexia: distúrbio é o mais comum entre estudantes

Transtorno atinge até 17% dos alunos no mundo; neuropediatra alerta para educação inclusiva nas escolas

O mês de novembro é marcado pelos dias da alfabetização e de atenção à dislexia – distúrbio caracterizado pela dificuldade de leitura e escrita. As datas alertam para a educação inclusiva nas escolas. No Brasil, o Instituto ABCD estima que aproximadamente 4% da população possui o distúrbio. Entre alunos do mundo todo, a dislexia é apontada como o transtorno com maior incidência, atingindo de 5 a 17%.

“A dislexia é classificada como um transtorno específico de aprendizagem (TEAp) que se manifesta por meio de um conjunto de sintomas, podendo envolver leitura lenta ou incorreta de palavras e dificuldades de soletração, por exemplo. É uma doença heterogênea, ou seja, com intensidades e necessidades variáveis de indivíduo para indivíduo”, explica o Prof. Dr. Vitor Haase, neuropediatra e pesquisador da healthtech Treinitec.

Segundo ele, o diagnóstico pode ser confirmado após os oito anos de idade, devido à maturação neurológica de áreas essenciais para aprendizagem. Contudo, os primeiros sinais podem ser observados antes mesmo do período de alfabetização. Dr. Haase afirma que educadores são fundamentais para auxiliar na identificação do transtorno e apoio a especialistas.

“O diagnóstico e tratamento da dislexia envolve uma equipe multidisciplinar de profissionais da saúde e educação, em parceria com escola e família. A identificação precoce permite que, além de terem conhecimento a respeito do que estão lidando, professores realizem intervenções em sala de aula e encaminhem estudantes para uma avaliação interdisciplinar”, diz.

Leia mais  Sorologia 2050: Um passo para a Longevidade Saudável com a Soroterapia

Para incluir crianças com dislexia – e outros tipos de transtornos – a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (LBI) prevê que todos os matriculados em educação especial tenham direito ao Atendimento Educacional Especializado (AEE). No entanto, dados do Ministério da Educação (MEC), referentes a 2022, apontam que apenas 44% dos profissionais que atuam no AEE têm formação continuada para atender alunos neurodivergentes.

Dr. Haase destaca que o processo de aprendizagem para esse grupo demanda apoio especializado: “Professores capacitados e métodos adaptativos são fundamentais para superar tais desafios e proporcionar um ambiente inclusivo e estimulante. Os modelos educacionais existentes nem sempre dialogam com as necessidades de todos os alunos. Flexibilizar os currículos pode ser uma forma de reduzir as perdas na aprendizagem de crianças com dislexia”.

Outra aliada da educação inclusiva é a tecnologia, que pode ser usada em casos de alunos disléxicos. O neuropediatra destaca, entre os principais pontos positivos do uso da tecnologia, a possibilidade de personalização, acessibilidade e visualização de informações: “Recursos e materiais didáticos digitais, como o programa TREINI na Escola, visam fornecer subsídios a inclusão efetiva em escolas regulares por meio de plataformas e aplicativos para docentes, alunos e pais”.