Homens não sabem tudo sobre sexo, diz sexóloga Carla Cecarello

Mestre em sexualidade humana, psicóloga, sexóloga e dona do meme ‘Ai que susto’, após viralizar nos primórdios do YouTube ensinando a prática do sexo anal, a Dr. Carla Cecarello, 56, é a convidada do episódio #26 do podcast Acompanhadas, patrocinado pelo Fatal Model – maior site de acompanhantes do Brasil. O bate-papo, realizado nesta segunda-feira (11), teve como tema a jornada da profissional e os tabus envoltos no estudo da sexualidade.

Nina Sag, host e Diretora de Comunicação da plataforma, comanda o programa tendo ao lado a acompanhante e colunista do Fatal Model, Paula Assunção. O programa começou com a seguinte indagação: como foi ingressar em um ramo de estudo pouco discutido nos anos 1990?

‘Me formei como psicóloga e sexóloga em 1992. Tínhamos dificuldade em ter reconhecimento entre a classe médica. Lembro que costumávamos ir para congressos e era interessante ver que, quando se tratava da sexualidade humana, tudo era separado’, diz Carla. Sag aproveita o gancho para explicar que, mesmo que a profissão de acompanhante seja vista de forma negativa, cumpre um importante papel na saúde: ‘O sexo é fisiológico, nós precisamos disso. E é difícil para as pessoas aceitarem que nós necessitamos, sim, da prática sexual’.

‘O Brasil tem um lado bastante preconceituoso em relação a isso. Se a gente sai daqui e vai para os Estados Unidos, vemos que existem as parceiras de aluguel. E elas são muito importantes para o tratamento das disfunções sexuais. Olha só: imagina um homem que vem com uma queixa de ejaculação precoce, por exemplo. E ele não tem uma parceira fixa. Hoje os estudos mostram que quando você tem uma parceria fixa, o tratamento desses pacientes é muito mais rápido e mais eficiente. Nos Estados Unidos, existe um procedimento que junta os três lados, aqui eu não posso recomendar isso. As clínicas têm parcerias com essas profissionais. É outra forma de pensar. E ajuda no tratamento das disfunções sexuais’, diz Carla Cecarello.

Leia mais  Medo de voltar ao trabalho durante a pandemia? Como não deixar o receio se transformar em um transtorno

Para as acompanhantes, hoje o perfil de homem que mais contrata o serviço é o acomodado e ‘dentro da caixinha’: ‘Muitos que contratam a gente, querem fazer sexo oral porque a esposa não deixa. Aí quando eles começam, nós entendemos o porquê’, diz Sag.

‘Isso é muito bacana porque quebra o mito de que o homem sabe tudo sobre sexo e ele que vai conduzir. Aprendeu o básico e vai ficar nisso até o final. Homens não têm curso para sexo oral, limpeza, higienização e sobre como ser sexy, cai tudo sobre nós, mulheres. Sexo tem que ser prazeroso para ambos. Jacob Moreno fala o seguinte: para que haja de fato um encontro, preciso te ver com os teus olhos e você precisa me ver com os meus olhos. Só assim que a gente vai se encontrar. Hoje, o diálogo empobrecido é uma das maiores causas dos problemas sexuais‘.

A entrevista é feita em formato bate-papo. Já estiveram presentes a atriz Deborah Secco, a youtuber e influenciadora Dora Figueiredo, e Edson Castro, criador e apresentador do Manual do Homem Moderno.

O podcast Acompanhadas pode ser acessado através do canal no Youtube ou pelo Spotify.